Para evitar armadilhas

Para evitar armadilhas

 

 

Na visão budista temos 8 consciências:

As consciências dos 5 sentidos.

A consciência mental.

A consciência Ego de defesa.

Consciência armazenadora de lembranças.

 

Desde que nascemos, percebemos a fragilidade e a necessidade de pedir e esperar por proteção.

Aos poucos essa figura de prudência – o Ego – vai crescendo e ultrapassando suas funções de base e começa a se misturar com nossa natureza livre e luminosa de base tornando-se uma figura neuroticamente defensiva e desconfiada.

O mundo começa a ser ameaçador, mais ou menos, dependendo das pessoas que nos rodeiam e nossas lembranças.

A lucidez diminui e a visão vai ficando deformada.

A vida parece confusa; buscamos várias portas para entender o que acontece.

É que o Ego não gosta de ser desafiado. Mas ele é apenas uma identidade criada neurologicamente para proteção de perigos reais.

Como ele – o Ego – não gosta de ser desafiado, ele transforma pessoas que consideramos inferiores em inimigos (e as desrespeitamos) e as que consideramos superiores em tiranos ( a quem nos submetemos).

É complicado porque ao longo da vida o Ego se mistura tanto com nossa verdadeira natureza que pensamos que somos assim: assustados, ansiosos, incompetentes, invejosos, intolerantes , deprimidos etc.

Não é verdade!!!!!!!

Cada vez que não atendemos as demandas do Ego caminhamos um pouco mais em direção à alegria e à liberdade.

Como fazer?

Cada vez que você se sentir ameaçada(o) ou num dos estados acima é o fantasma do Ego te prendendo numa bolha espelhada por dentro.

Sorria, não caia na armadilha. Dê um passo atrás e olhe a situação com liberdade e lucidez.

Você é livre e a valentia mora no teu coração.